O efeito "pior que a média": quando você é melhor do que pensa

O efeito

O efeito "pior que a média" ou "abaixo da média" é um dos efeitos que interferem na tomada de decisões ou gera vieses comportamentais. O efeito Dunning-Kruger, o que explica porque os incompetentes não sabem que são incompetentes.

Mas há um outro lado do Dunning-Kruger: às vezes os competentes não sabem quando são competentes.

Este é o efeito pior do que a média. Isso significa que, quando você é bom em alguma coisa, você tende a supor que outras pessoas também são boas nisso. Então, quando você se depara com uma tarefa difícil em que você é bom, subestima sua própria capacidade.

Não dá certo quando temos habilidades especiais, mas também quando pensamos que as chances são longas, digamos porque a tarefa é particularmente difícil. Por exemplo, Kruger descobriu que as pessoas subestimam sua capacidade em tarefas estereotipicamente difíceis como jogar xadrez, contar piadas, malabarismo ou desenvolver softwares.

Por outro lado, eles superestimam sua capacidade em tarefas estereotipicamente fáceis, como usar um mouse, dirigir um carro ou andar de bicicleta.

Aqui está outro exemplo, descrito por Moore:

"Estudantes da Universidade de Iowa relatam acreditar que têm apenas 6% de chance de derrotar estudantes da Universidade de Iowa em um concurso de perguntas e respostas sobre a história da Mesopotâmia. Em contraste, um concurso de perguntas e respostas com perguntas sobre séries de TV inspirou uma probabilidade média estimada de ganhar 70%. Naturalmente, essas crenças são erradas porque os testes serão simples ou difíceis para todos. Em média, a probabilidade real de ganhar deve ser de 50% ".

Como podemos explicar tudo isso?

"Quando as pessoas se comparam com seus pares, concentram-se egocêntricamente em suas próprias habilidades e insuficientemente consideram as habilidades do grupo de comparação."

Em outras palavras, tendemos a esquecer o quanto as outras pessoas são boas em andar de bicicleta e como elas são ruins em contar piadas ou desenvolver softwares.

O mesmo se aplica aos juízos que fazemos sobre nós mesmos. Por exemplo, pessoas mais velhas tendem a assumir que são menos atraentes e atléticas do que outras pessoas de sua própria idade.

A moral da história é simples: às vezes nos empobrecemos, especialmente quando nos deparamos com uma tarefa difícil ou quando temos habilidades especiais. Sob essas circunstâncias, somos melhores do que sabemos.

Referência:
Age and the Better-Than-Average Effect
Lake Wobegon be gone! The "below-average effect" and the egocentric nature of comparative ability judgments.
Not so above average after all: When people believe they are worse than average and its implications for theories of bias in social comparison

compartilhe:
PsiPsi - Psicólogos Online
PsiPsi - Terapia, piscologia e atendimento online. Espalhando a psicologia pelo mundo através da internet..

Artigos recentes:

3 Comments

  1. Donec sed odio dui. Nulla vitae elit libero, a pharetra augue. Nullam id dolor id nibh ultricies vehicula ut id elit. Integer posuere erat a ante venenatis dapibus posuere velit aliquet.

  2. Integer posuere erat a ante venenatis dapibus posuere velit aliquet.