Como a solidão afeta o seu cérebro

Como a solidão afeta o seu cérebro

As pessoas solitárias se movem rapidamente para as redes sociais, aqui está o motivo.

A solidão torna as áreas do cérebro que estão vigilantes para a ameaça mais ativa, segundo um novo estudo.

Isso pode tornar as pessoas socialmente isoladas mais agressivas e defensivas é uma forma de autopreservação.

Pode ser por isso que pessoas solitárias podem ser marginalizadas.

O professor John Cacioppo, um especialista em solidão, falando sobre um estudo anterior sobre a marginalização dos solitários, disse:

"Detectamos um padrão extraordinário de contágio que leva as pessoas a serem levadas para as bordas da rede social quando se tornam solitárias.
Na borda, as pessoas têm menos amigos, mas a solidão os levam a perder os poucos laços que lhes restam.
Os efeitos deste reforçamento significa que nosso tecido social pode se desgastar nas bordas, como um fio que se solta no final de um suéter de crochê."

A nova pesquisa, conduzida pelo professor Cacioppo e colegas, comparou os cérebros de pessoas solitárias e não solitárias.

Ambos grupos fizeram eletroencefalografia para medir a atividade elétrica ao redor do cérebro.

Eles foram mostrados uma série de palavras, variando em quão social e positivo eles eram.

Os cérebros das pessoas solitárias eram mais rápidos em identificar palavras relacionadas a ameaças sociais como "hostis" do que pessoas não solitárias.

Na verdade, as pessoas solitárias estavam mais atentos as palavras com conotações negativas, em geral.

Este poderia ser um mecanismo de defesa antigo para nos ajudar a sobreviver, os autores argumentam:

"Os peixes à beira do grupo são mais propensos a serem atacados por predadores, não por serem os mais lentos ou mais fracos, mas por causa da facilidade de isolar e atacar os que estão no
perímetro social.
Como resultado, os peixes evoluíram para nadar até o meio do grupo quando um predador ataca."

Por trás disso é uma teoria evolucionária, eles dizem:

"Estar no perímetro social não é apenas triste, é perigoso.
Nosso modelo evolutivo dos efeitos do isolamento social percebido (solidão) no cérebro, bem como um crescente corpo de pesquisas comportamentais, sugere que a solidão promove a autopreservação de curto prazo, incluindo uma maior vigilância implícita para ameaças sociais, em contraste com não-sociais."


Referência:
Implicit attention to negative social, in contrast to nonsocial, words in the Stroop task differs between individuals high and low in loneliness: Evidence from event-related brain microstates

compartilhe:
PsiPsi - Psicólogos Online
PsiPsi - Terapia, piscologia e atendimento online. Espalhando a psicologia pelo mundo através da internet..

Artigos recentes:

3 Comments

  1. Donec sed odio dui. Nulla vitae elit libero, a pharetra augue. Nullam id dolor id nibh ultricies vehicula ut id elit. Integer posuere erat a ante venenatis dapibus posuere velit aliquet.

  2. Integer posuere erat a ante venenatis dapibus posuere velit aliquet.